CONTEÚDO E MÍDIA

Os 3 pilares para contratar certo

 

Por Leticia Araujo Neves e Maria Candida Baumer de Azevedo I Abril de 2019

Você abre uma vaga, recebe currículos, faz dinâmica de grupo, entrevista, aplica testes de conhecimento e perfil. Ao que exatamente dar foco para garantir que você vai contratar a pessoa certa? Conheça os pilares para contratar a pessoa certa.

Quando contratamos alguém experiente no papel em questão, olhar pro passado, as experiências e a formação está de bom tamanho, isso verifica a prontidão. Além disso é preciso analisar o fit entre os valores do indivíduo e a cultura da empresa, aqui temos o fit cultural. Entretanto, via de regra, bons profissionais são atraídos por posições mais altas. Sempre que esse for o caso é preciso também olhar para o futuro. Por isso aqui entra a necessidade de mapear potencial.

Como ter a certeza de que o candidato tem a capacidade de dar mais um passo, antes de contratá-lo? E, acima de tudo, como saber se os valores dele são alinhados com os da organização? Além disso, como evitar o desperdício de tempo e dinheiro descobrindo sua capacidade de entrega antes da contratação?

Pois pensando nisso, confira os 3 pilares da contratação com excelência.

Pilar 1 – Fit cultural
O que é?

O primeiro dos três eixos da contratação com excelência, é eliminatório. Por isso, deveria compor a primeira etapa. Quando uma empresa tem valores específicos inegociáveis, a entrada de alguém contrário a eles levará a demissão logo em seguida. Portanto, a discrepância de valores deve ser motivo de reprovação imediata. Entenda mais sobre a relação entre o processo seletivo e a cultura de uma empresa.

Como identificar?

Fundamental é ter uma etapa de entrevistas que detecte esse fit ou a falta dele. Além disso, dinâmicas de grupo (para processos com grande volume de candidatos) e checagem de referências em profundidade também funcionam como ferramentas de identificação dos valores, podendo ser usadas na largada.

Um exemplo era uma empresa que tinha ‘culto aos detalhes’ como valor chave. Essa era uma obsessão do presidente. Como forma de identificar isso nos candidatos na primeira etapa presencial eram ‘esquecidos’ clips de papel pelo chão, deixados quadros tortos, aqui e ali adesivos mal colados de sinalização. Observando a trajetória de chegada do candidato, da recepção a sala de dinâmica, já se conseguia identificar quem se incomodava com aqueles detalhes e agia.

Indo para as soluções quantitativas, apesar de muitas empresas oferecerem testes de fit cultural, o que normalmente se apresenta é uma salada de resultados. Há uma confusão de conceitos. De fato muitos desses testes são ferramentas de comportamento aprendido (o que não necessariamente indica um valor) ou de nível de engajamento (o que de novo não indica valor). Desconfie de instrumentos ou questionários padrão. Cada cultura é única como uma impressão digital. Portanto cada questionário deve ser específico para a cultura desejada pela empresa.

Pilar 2 – Potencial
O que é potencial?

Potencial é relativo a potência, indica capacidade latente, aptidão iminente, talento futuro disponível a ser explorado. Sua existência varia conforme o objetivo. De maneira ampla, enquanto alguém muito criativo tem alto potencial para trabalhar com criação publicitária, por exemplo, o cara metódico e super disciplinado tem dificuldades para isso, tendo baixo potencial para uma carreira criativa e alto potencial para uma carreira em logística por exemplo.

É importante saber o que de fato é potencial na sua empresa. A capacidade de gerar entregas e resultados está diretamente ligado com potencial daquela pessoa. O potencial se dá quando eu coloco as fortalezas daquele perfil a favor dos desafios que ele terá para realizar junto com a personalidade que é a nossa essência, o que se faz naturalmente, sem pensar. Portanto, quanto mais ligado a personalidade e potencial ao trabalho, mais destaque o candidato terá na posição. Quando é preciso adaptar comportamentos, indo contra a própria personalidade, gastamos muita energia. Por isso contratar o ‘menos pior’ só pra contratar rápido perde o sentido.

Como identificar?

Alguns usam o feeling, o que é altamente subjetivo e difícil de ser escalado. Outros olham para o passado como se ele fosse capaz de identificar potencial futuro de algo não vivido. Outros ainda olham para a formação, ‘fez Harvard, tem alto potencial’, o que já se provou longe de ser exato. Potencial está ligado a personalidade. Portanto para medi-lo é preciso utilizar uma ferramenta precisa, profunda e consistente.

Pilar 3 – Prontidão
O que é prontidão?

Estar pronto para um desafio quer dizer que a pessoa tem o conhecimento técnico necessário, domina as habilidades requeridas e tem as atitudes fundamentais para que aquilo seja feito e bem feito. Essa prontidão vem da formação acadêmica, somada com as experiências vividas, os resultados entregues, a complexidade de contextos aos quais o indivíduo já foi exposto e como reagiu a ele. A prontidão considera a repertório, o acervo de soluções e ferramentas.

Como identificar?

Os métodos convencionais, quando bem aplicados, são bastante eficientes para identificar prontidão. Entrevistas em profundidade, checagem de competências, relato de evidências de comportamento passado, observação de reação em simulação individual ou em grupo, são alternativas bastante boas.

Potencial, prontidão e fit cultural

Quer saber mais? Acesse o e-book ‘Contratando a pessoa certa’ e adquira mais conhecimento para acertar na hora de contratar um novo candidato.

Produtos relacionados