Período de experiência deve ser usado para avaliar empresa e evitar decepção

JUSSARA SOARES
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O seu currículo foi selecionado entre vários. Você fez entrevistas e se destacou entre os demais candidatos. Foi contratado. Agora, tem três meses para adaptação.

Consultores de RH afirmam que esse período não deve ser encarado como mera burocracia e sim como um tempo de conhecimento e de avaliação mútuos: da empresa e do funcionário.

“Deve ser uma época de experimentação para os dois lados, o que exige muita paciência. É como se fosse um noivado, para verificar se vão casar ou não”, explica Maria Candida Baumer de Azevedo, diretora da consultoria People & Results.

Formada em administração de empresas, Luciana Franco, 31, cumpre desde 16 de maio o prazo de experiência na Sodexo, empresa do setor de alimentação e gestão de benefícios.

“Da mesma forma que a empresa me avalia, também tenho esses meses para decidir se me encaixo na organização e se quero realmente construir a minha carreira aqui”, afirma ela.

Segundo Maria Candida Azevedo, da consultoria People & Results, o primeiro passo é o novato identificar o clima da organização e se ele se encaixa ali com sua personalidade, seja alguém que prefere um ambiente mais descontraído, seja alguém que faça questão de ter metas bem definidas.

“Se pedem para você mudar algo no seu comportamento que é sua essência, será frustrante e impactará no desempenho”, diz Azevedo.

É importante também que o cargo, o salário e o status da profissão estejam alinhados com o que o funcionário espera do novo trabalho.

Permanecer numa empresa que não combine com o seu perfil pode atrasar o crescimento profissional, alerta a consultora.

“Ninguém aguenta trabalhar infeliz. A performance cai e isso deixa uma marca negativa no currículo”, diz.

Danilo Verpa/Folhapress
A administradora Luciana Franco, na Sodexo, em São Paulo
A administradora Luciana Franco, na Sodexo, em São Paulo

TREINAMENTO

Para evitar a decepção do novo funcionário, algumas empresas investem em um período de treinamento.

Na Sodexo, a administradora Luciana Franco passou por três dias de integração, nos quais conheceu todas as áreas e os projetos.

Os recém-contratados na empresa também são acompanhados por um funcionário do RH. Ao final dos 90 dias, o departamento faz duas reuniões: uma com o contratado, outra com o gestor de área para saber qual foi a avaliação dos dois lados.

O cuidado parece dar resultado. Nos últimos seis meses, diz a Sodexo, um dos 200 contratados foi dispensado.

“Nossa empresa não é ansiosa por resultado. Trabalhamos por um aprendizado sólido e gradual”, afirma Rogério Braherolli, diretor de RH da companhia.

Segundo Raphael Falcão, diretor da consultoria Hays, programas de integração servem também para estabelecer uma comunicação clara com o funcionário.

É importante que o profissional saiba logo no início quem é quem dentro da empresa e a quem se reportar.

Investimentos em programas desse tipo, contudo, não são regra entre as companhias. “Em áreas onde há muitos profissionais, como na produção industrial, as empresas costumam ser menos tolerantes e achar que não devem perder tempo com treinamento.”

REGRAS

Segundo a CLT, caso o funcionário seja dispensado após os 90 dias, a empresa fica isenta de pagar a multa equivalente a 40% do FGTS (Fundo de Garantia).

Se a demissão ocorre antes do fim do contrato (exceto se for por justa causa), o trabalhador recebe a multa do FGTS, metade dos pagamentos a que teria direito, 13º salário e férias proporcionais, além de outras somas.

Mas caso ele deixe o emprego por vontade própria, terá que indenizar a empresa em até 50% do que receberia.

Se os dois lados continuarem a parceria, o contrato passa a ter prazo indeterminado automaticamente.

*

A VAGA É SUA
Como aproveitar os primeiros 90 dias no novo cargo

ANALISE

Conheça o seu gestor e seu estilo de liderança. Reflita se você vai aprender com ele. Ter admiração pelo chefe é fundamental

Avalie seu relacionamento com os colegas de trabalho. Você está na empresa certa quando existe aprendizado e cooperação entre a equipe

Peça feedback constantes de seus gestores no período de experiência. Isso é importante para você nortear seu caminho

Caso peçam para você fazer algo que contrarie seus valores, é melhor repensar se o emprego vale mesmo a pena

IMPRESSIONE

Entenda os valores e a cultura da nova empresa, já que você é o estranho no ninho. Apresente propostas, mas valorize projetos das equipes anteriores

Demonstre curiosidade e interesse pelo trabalho. Não tenha vergonha de fazer perguntas. Seja proativo, mas tome cuidado para não tentar impor sua visão

Saiba quais as suas metas e o que a empresa espera de você. Isso o ajudará a alcançar seus resultados

Não tente aparentar ser um profissional diferente do que você é. Ninguém consegue fingir por muito tempo

Fonte: People & Results, assessoria de recursos humanos

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *