Remuneração e cultura organizacional são mecanismos de gestão diretamente relacionados

O tema remuneração por si só começa pela sua composição: fixa e variável.

A parte fixa, composta pelo salário e os benefícios, quando comparada à média de mercado, diz muito sobre como a empresa se posiciona. Empresas que competem no mercado como referência em diferenciação ou enfoque em um segmento específico precisam de pessoas com capacidade de inovar e antecipar oportunidades, com visão sistêmica. Tais pessoas, em sua maioria, vêm de empresas com estratégia semelhante, formação impecável e, portanto, salários mais elevados. Já as empresas que trabalham com grande volume, produção em escala, têm a eficiência operacional e a produtividade como foco competitivo de negócio, baixo investimento em inovação, mas elevado em melhoria contínua. Elas demandam talentos extraordinários apenas em posições chave, e nas demais a remuneração situa-se na média do mercado ou preferencialmente abaixo dela.

A parte variável da remuneração pode ser composta de bônus de curto, médio e longo prazo, seja em dinheiro ou outras variações, como opções de ação. A relevância desse componente para a cultura da empresa está na forma de calculá-lo. Quando o variável tem seu cálculo desconhecido (ou escondido), tende a favorecer comportamentos políticos, protecionistas e de baixo conflito. Quando o bônus é calculado considerando apenas metas individuais, a cultura estimulada é a do individualismo, do “cada um por si”, levando à competição predatória, e sem os resultados positivos do trabalho em equipe como a troca de opiniões, solução compartilhada de problemas, e a sinergia entre áreas. O oposto, quando o variável é baseado somente em metas coletivas, também é nocivo. O foco no coletivo esconde ineficiências, mantém comodismos e suprime o lado saudável da competição: a busca da superação, a persistência ampliada.

Entendido o papel das partes separadamente, parte-se para a análise da remuneração total a fim de reconhecer todo seu impacto na cultura das empresas.

Considere 3 empresas do mesmo segmento (cia 1, cia 2, cia 3), com benefícios muito semelhantes devido à convenção coletiva a que estão submetidas. Observe como cada uma pode distribuir seu pacote de remuneração:

Remuneração e cultura organizacional - Gráfico

Com essa composição, qual das três empresas terá uma cultura mais conservadora, formal e burocrática? E qual terá a cultura mais ágil, aberta às mudanças, menos tolerante ao erro?  Quanto menos arrojado e agressivo é o variável, menor o estímulo para a superação de grandes desafios. O contrário se aplica da mesma forma.

Cultura, remuneração e perfil profissional estão intimamente ligados entre si. O modelo de remuneração é um instrumento importantíssimo para manutenção ou mudança de cultura, direcionado claramente para a atração e retenção de profissionais com perfil coerente com a estratégia desejada.

Por Maria Candida Baumer de Azevedo – Fevereiro de 2013

Share this post