Antes, durante e depois de uma entrevista

Ao ser chamado para uma entrevista, é hora de começar a trabalhar.

Antes da Entrevista

A empresa

Pesquise tudo o que estiver disponível sobre a empresa em questão – sua história, ramo de atuação, principais clientes e fornecedores, produtos e serviços, momento atual (sucessos, insucessos, bons ou maus resultados), para onde está direcionando seus investimentos e quais são seus desafios de mercado.

POR QUÊ? Isso te ajuda a fazer perguntas sobre o negócio (mostra interesse, preparação e entendimento sobre o assunto) e entender realmente o momento da empresa (o quanto ele é favorável para sua área, o que é realmente esperado de você.

Pesquise sobre a cultura da empresa. Esse é o jeito como as coisas acontecem lá quando o chefe não está olhando. Cultura
organizacional são as regras não escritas, o que é importante de fato, os costumes, as leis internas. Para isso, conversar com profissionais, fornecedores, clientes e pessoas que já saíram da empresa amplia sua visão.

POR QUÊ? Isso te ajuda, a saber, como as coisas funcionam internamente e se essa forma é aderente ou contrária ao seu jeito. Não adianta você fingir uma coisa que não é apenas para conquistar a vaga. Uma vez na empresa, seu fingimento não durará muito tempo,

diminuindo as chances de você ser feliz naquele ambiente. É muito importante trabalhar em um ambiente condizente com o que você gosta, acredita e valoriza. Se for apenas uma questão de salário, esse efeito é perdido após 3 meses de contratação.

O segmento

Pesquise sobre o segmento da empresa – potencial, tendências, concorrentes, ameaças e oportunidades (devido a mudanças políticas, econômicas, tecnológicas ou sociais), produtos substitutos, politica de preços, o que o cliente busca.

POR QUÊ? Isso te ajuda a entender o posicionamento da empresa no mercado (se é líder ou não, inovadora ou conservadora) e
imaginar se o ambiente competitivo é mais agressivo ou menos (e suas implicações para o seu trabalho).

O entrevistador

Pesquise sobre o entrevistador, quem é, sua idade, estado civil, formação, histórico profissional, hobbies, interesses. As redes sociais e o Google ajudam muito nesse momento.

POR QUÊ? Estudando previamente o entrevistador ajuda a encontrar um ponto comum, seja a cidade de origem, amigos em comum, um curso que você tem curiosidade em fazer e ele já fez, um professor marcante ou hobbies compartilhados.  Isso será muito importante quando você encontrar com o entrevistador pela primeira vez.

Vestuário

Ao escolher sua roupa, pesquise antes como as pessoas da empresa se vestem. Pergunte a quem trabalha/ou lá, procure fotos dos profissionais no ambiente de trabalho.

Na dúvida, menos é mais. Evite estampas, cores fortes, acessórios chamativos de gosto duvidoso, perfumes em excesso. Unhas feitas para as mulheres (nada de cores berrantes, desenhos e apliques), sapato impecável e traje alinhado.

POR QUÊ? Você quer ser percebido como semelhante. A imagem é o primeiro passo nessa direção.

Durante a Entrevista

Pontualidade

De preferência chegue 20 minutos antes para conseguir “ler” o ambiente, sentir a cultura da empresa, ver como as pessoas se comportam, se comunicam, o que elas valorizam (os símbolos da empresa). Aproveite para ler as publicações internas da empresa que ficam disponíveis na recepção. Além disso, imprevistos podem acontecer. Tenha o telefone do seu entrevistador para avisá-lo se houver um contratempo.

POR QUÊ? Esse momento de observação é uma fonte importante de informações sobre a empresa, seu momento e sua cultura. O que te ajuda a refinar suas perguntas e seu quebra gelo, e contribui para sua autoanálise de aderência à empresa. Também te ajuda a se sentir mais a vontade e reduz a ansiedade.

Quebra gelo

No primeiro contato com o entrevistador é fundamental criar uma conexão positiva. Ao se preparar para a entrevista você identificou pontos em comum com o entrevistador, com a empresa e/ou dúvida do que está acontecendo no mercado devido a uma recente notícia na mídia. Havendo abertura, use um desses temas para começar a conversa. Um entrevistador experiente também terá um quebra gelo preparado, mas o inexperiente não.

POR QUÊ? Uma entrevista é um processo que envolve certa tensão. A ansiedade de ser ou não escolhido, a interação com o desconhecido, o incômodo de estar sendo avaliado (em ambos os lados) só aumentam essa sensação. O quebra gelo ajuda a relaxar, cria conexões e aproxima as pessoas.

Gestual

A menos que você já conheça bem o entrevistador, o comprimento padrão no início de uma entrevista é o aperto de mão. Mão mole, suada e tremula diz muito sobre o ânimo, assertividade, segurança e autoconfiança da pessoa. Se na vida social você rotula o outro por isso, em uma situação profissional não é diferente.

Durante a entrevista, responda às perguntas olhando nos olhos do outro. Não se trata de encarar, mas de dar respostas seguras, firmes, com precisão e sem ter nada a esconder. Olhar para baixo, desviar o olhar, denota dúvida, inconstância e até pode abalar a confiança na veracidade das respostas.

Relaxar em uma entrevista é muito saudável, mas não a ponto de sentar na cadeira como se você tivesse assistindo seu programa favorito no sofá. Ocupe a cadeira deixando a coluna totalmente aderente ao encosto e os braços visíveis para o entrevistador, gesticulando quando necessário (sem excessos).

Entrevista por competências

A boa entrevista é aquela onde o candidato demonstra sua competência relatando situações vividas, ações tomadas e resultados obtidos de forma consistente. Erros fazem parte do processo e não devem ser escondidos, mas sim ter os aprendizados e melhorias correspondentes ressaltados. Não invente, minta ou omita. A checagem de referências é uma prática da maioria das empresas e mentir acaba sendo apenas uma postergação da descoberta.

Leia mais sobre entrevista por competências e exercite sua memória para ter situações vividas na ponta da língua.

Alertas

2 ouvidos e 1 boca… obedecendo essa proporção, ouça bastante. Se o outro lado dá sinais de impaciência (atenção para chaves, celular, unha, ou ainda corte suas respostas) isso é sinal de que você está falando demais e o conteúdo não está mais interessando ou a mensagem já foi captada. Se o entrevistador quiser mais detalhes e seu relato estiver insuficiente, o entrevistador fará mais perguntas te estimulando a falar.

Não aborde o tema salário por iniciativa própria, NUNCA. Seu foco deve estar nas oportunidades, desafios, perspectivas. Dinheiro deve ser consequência disso.

Ao final, fique a vontade para perguntar sobre as próximas etapas do processo seletivo e tirar dúvidas que surgirem.

Depois da Entrevista

Boa ou ruim, a entrevista é sempre um momento de aprendizado. Agradeça o entrevistador, por e-mail com uma nota gentil de apreciação ao tempo dele e insights obtidos com a conversa.

Caso vocês tenham falado de temas de interesse mutuo e logo em seguida você encontrar um artigo sobre o tema, um curso ou personalidade a ser consultada, compartilhe com ele.

Espere que o entrevistador cumpra com o prazo mencionado para a resposta sobre sua aprovação/reprovação e não cobre uma posição antes do prazo mencionado. Caso a data limite da resposta tenha passado há algum tempo, você pode enviar um e-mail educado perguntando se o entrevistador tem alguma novidade sobre o processo seletivo. Pronto! Você fez todo o possível para ser um bom candidato. Agora é só colher os frutos! Boa sorte na sua carreira!

Share this post